Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘migração windows’

Compreendendo os software existentes no mercado
por Sinara Duarte

Dando continuidade a série de artigos sobre migração, é importante comentar que alguns professores quando no uso das tecnologias, sentem dificuldade devido a presença de alguns termos muito técnicos ou próprios da área. Então resolvi, fazer este pequeno artigo para iniciantes ou aqueles que nunca usaram o software livre, mas tem vontade de utilizar ou estão adentrando no universo da informática.

De fato, a falta de material didático explícito, claro, sem jargões e/ou termos técnicos, a meu ver tem dificultado a disseminação do software livre, principalmente entre os professores e/ou usuarios windows. Assim, hoje vou falar  um pouco de softwares. Pode parecer banal, mas muito gente “grande” não sabe a diferença entre software livre, sofware freeware, shareware, demo e afins.

Software é a parte lógica do computador, é o programa feito por um ou mais desenvolvedores para executar uma ou várias funções. Teoricamente, qualquer pessoa com conhecimento, pode escrever um programa de computador. Ex: Windows, CorelDraw, Gimp, Gcompris. O primeiro é um sistema operacional pertencente a Microsoft, o segundo é um programa de desenho vetorial proprietário da Corel, o terceiro é um software livre também de desenho vetorial, e o terceiro é um software educativo.

O software é considerado proprietário, se pertecente a alguma empresa. Por exemplo, o Windows é um software pertencente a empresa Windows. Geralmente os softwares proprietários apresentam alguma restrição de distribuição. Para isso é preciso autorização do dono. A principal diferença entre o software livre e o software proprietário é o código fonte. Ambos possuem o código fonte, mas no software livre, temos acesso ao código fonte.

O Código fonte, fazendo uma alegoria com a culinária, é como se fosse a receita do bolo. Na cozinha, temos diversas receitas de bolos diferentes, mas a base, na maioria da vezes é a mesma (trigo, ovos, leite). A medida da criatividade do mestre-cuca, este altera e incrementa sua receita, da maneira que desejar, podendo repassar a receita para outros mestres que também adequam a receita a sua realidade local. (Por exemplo, no Ceará, não existem nozes, mas existe castanha de caju). Da mesma forma é o código fonte. Este é o conjunto de instruções para o computador (receita) que formam o programa (bolo), o software é considerado livre se este dipor a receita para todos, ou seja, se o código-fonte for disponível publicamente, sem restrições, para que outras pessoas possam usá-lo, copiá-lo, estudá-lo e modificá-lo.

O software livre, portanto, é o programa de computador que obedece quatro liberdades fundamentais, liberdade para usar, liberdade para copiar (sem cometer crime de pirataria), liberdade de estudar o funcionamento do programa, e se tiver conhecimento, adaptá-lo as suas necessidades e redistribuí-lo para a comunidade, de modo que todos se beneficiem de sua melhoria. Exemplo: Linux Debian, Big Linux, Ubuntu.

A filosofia do software livre encontra suas raizes na livre troca de conhecimentos e pensamento. Existem várias licenças que concedem liberdades aos softwares destacando-se a Licença Pública Geral (GPL), atuamente a licença mais utiliza no “mundo livre”. Essa licença explica que ninguém pode pegar um software livre e transformá-lo num software proprietário, pois respeita as quatro liberdades já mencionadas. Noutros termos, buscar lucratividade em algo que foi origialmente gratuito.

É importante destacar que quando se fala em software livre, muitos pensam que este é sinônimo de gratuito, devido a sua origem etmológica do inglês free pode ser traduzido tanto como gratuito e como livre.. Assim, software livre não significa software gratuito. Muitos são gratuitos, como forma de divulgar o movimento de software livre. Por exemplo, o wordpress é um software de criação de blogs, que é livre, mas não é gratuito. Qualquer pessoa pode criar um blog gratuitamente, mas se desejar algumas outras funcionalidades, precisaria pagar para ter acesso (é opcional). Mas não impede de possuir o blog. Por exemplo, este blog Software Livre na Educação é feito no WordPress.com (gratuito), mas existe o wordpress.org (com mais funcionalidades, por exemplo alterar as fontes que é pago).

O software proprietário ainda pode ser:

Software freeware: é um software gratuito, mas que não é livre (apesar do nome free), pois não disponibiliza o código-fonte e possuem licenças restritivas, proibindo a cópia, a redistribuição não autorizada e a modificação (Lembra das quatro liberdades?). Geralmente estão disponiveis na internet para download e a validade não expira. Exemplo, o jogo de memória da Turma da Mônica é um software freeware.

Software shareware (trial) são programas proprietários com limitações de uso, podendo ser de tempo ou funcionalidades (não ter todas as funções). Também são gratuitos, mas apenas para divulgação, após algum tempo perdem sua validade (não funcionam mais, devendo ser apagado do computador ou comprado do seu fabricante). Num termo mais comum, seria uma “amostra grátis”, uma forma de divulgação do produto, sendo protegido por direitos autorais. Ninguém é obrigado a pagar por seu registro, ao menos, que goste ou queria ficar com este software. Exemplo: Dicionário Inglês-Português UltraLíngua (site baixaxi).

Softwares Demo são softwares para DEMOnstrações, por isso, esse nome demo (não tem nada a ver com o capeta!rsrsr). São softwares para análise, para testar gratuitamente.  O sonho de alguns amigos meus é ser “testador” de jogos. Algumas empresas gastam fortunas desenvolvendo jogos para computador e pagam pessoas para testar e comentar a respeito. Na internet, existem diversos programas que são DEMO, apenas para teste. Também são protegidos por direitos autorais, não são softwares livres, sendo classificados como proprietários, pois pertecem a alguém.Exemplo: Coelho Sabido, no site oficial, tem uma versão gratuita que é DEMO.

Software de dominio público: Domínio público é qualquer obra (software, livro, música, etc) que é considerado bem comum (pertecente a todos). No Brasil de acordo com a Lei 9610/98 uma obra entra em dominio público, após 70 anos, da morte do autor ou quando este não deixa herdeiros. Eu particularmente, não conheço nenhum software que seja de domínio público, mas já existem diversas obras literárias e artísticas de carater pública. Ex: Obra de Machado de Assis (em meio digital e escrito).

E importante, antes de adquirir um software, observar suas funcionalidades e compatibilidades. Alguns softwares requerem equipamentos mais potentes (placa aceleradora, mais memória), por isso é importante saber  o hardware mínimo para instalação) qual o sistema operacional é compatível. Alguns funcionam apenas no Windows 98 e não no windows Vista, outros funcionam apenas no Linux, enfim, não significa apenas baixar no seu computador.

No Brasil, é um dos poucos países que possuem legislação específica para software. É a lei 9.609 de 20/02/1998, que incluem programas de computador no âmbito dos direitos autorais. A fiscalização é feita pela Associação Brasileira de Empresas de Software (ABES).

No próximo artigo sobre migração, falaremos a respeito de licenças e os direitos autorais e pirataria.

Read Full Post »

Novidade na rede!

O pessoal da Open-CE, Lucas Filho, teve uma idéia maravilhosa! Promover cursos a distância, que qualquer pessoa pode acessar gratuitamente pelo site. O primeiro deles é o informática básica. Aredito possa ser útil tanto para nós, professores,  que precisa se atualizar, quanto para nossos alunos que carecem de material de boa qualidade na rede. Eu baixei a aula 1 e achei bem rica.

O mais legal do Astrogildo é que este ensina a utilizar o computador, não importando o sistema operacional, ou seja, dando orientações tanto para usuários Linux quanto Windows. Coisa rara, neste meio, que prioriza produzir material didático apenas para os usuários windows.

Assim, lhes apresento, o ::@strogildo – Educação a distância, criado de forma a oferecer à sociedade, cursos profissionalizantes nas mais diversas áreas (informática, vendas, fotografia, desenho, etc). Estes curso serão gratuitos e disponibilizados em aulas. Basta que o aluno/ interessado, faça download das mesmas e participar do fórum.

Mas como assim gratuito?… quem paga as contas no final do mês?
Dentro das aulas, dispomos de espaços publicitários onde empresas e profissionais autônomos podem divulgar os seus produtos ou serviços.

Link para o ::@strogildo: http://astrogildo.ning.com/

P.S: O projeto é piloto, e para ter sucesso, precisamos acessar a pagina e baixar o material, para que os patrocinadores tenham interesse. Vamos colaborar?

Read Full Post »

Dando continuidade a saga  que fala acerca da migração do Windows para Linux,  hoje falaremos  um pouco sobre softwares que podem ser utilizados para edição de imagens e criação de desenhos  e ainda relacionada à Internet, alguns exemplos de comunicadores online.

Um dos primeiros programas que aprendemos a manipular no computador são os de desenho. Especialmente as crianças são fascinadas por este tipo de software, pois possibilita explorar toda a  imaginação e a criatividade infantil. Da mesma forma, no mundo livre, para criar desenhos simples usamos o Kolourpaint similar ao Paint (geralmente este vive escondido na pasta de Acessórios do WIN, não se sabe o porquê).  Em ambos é possível editar imagens e fotos, mas seus recursos são bem limitados.

Cabe aqui destacar que, para as crianças desenharem, nada chega aos pés do Tuxpaint. Além de ser livre, é multiplataforma, ou seja possui versão para windows e linux. Neste software é possível fazer tantas coisas que sua imaginação permitir. Que o diga a maga do Tuxpaint, a professora Liduina Vidal (Fortaleza-CE). Ela é capaz de criar histórias, infantis  jogos de sete erros, labirintos, atividades de matemática e educação infantil, somente usando o tuxpaint. Neste blog tem categoria somente para o tuxpaint com 13 aplicações pedagógicas (não deixe de ler). O mais interessante é que existe na página oficial do projeto (http://www.tuxpaint.org/gallery/) uma galeria onde é possível enviar os desenhos das crianças de todo mundo. Vi poucos desenhos do Brasil. Então o que estamos esperando para enviar os trabalhos de nossos filhotes?

Para quem precisa ou gosta de manipular imagens de forma mais profissional, temos o editor de imagens GIMP, no lugar do famoso, caro e pesado Photoshop. Não apresenta todos os recursos do proprietário (e precisa?), mas  não faltam apostilas de GIMP na Internet. Também possui versão tanto para o Windows quanto Linux. Destaque para a equipe do  “Nossa Visão”  disponibilizou em seu site Humor em Quadrinhos três tutoriais ensinando iniciantes a produzir HQs, usando softwares livres.  São três apostilas, em formato PDF, que abordam  o GIMP, (para editar e colorir imagens;) o INKSCAPE para a adição de balões, letras e logotipos; e o SCRIBUS, que serve para a montagem da revista. Para fazer o download gratuito das três apostilas, basta acessar o site do projeto, em www.humoremquadrinhos.blogspot.com.

Já os amantes da fotografia, podem construir seus albuns digitais, usando o freeware (gratuito) Picasa for Linux (está na versão beta) ou F-spot no lugar do Flip Album profissional. Além destes temos ainda o DigiKam. Este software além de permitir a criação e organização de album digital, apresenta outra funcionalidade. Se sua câmera digital for suportada pode baixar as fotos diretamente para o computador sem a necessidade de instalar um software específico, economizando espaço no seu HD, para suas milhões de fotos.  Maiores informações em: (http://pt.wikipedia.org/wiki/DigiKam)

Quanto aos  comunicadores online, o pinguim dá um show no Windows, com  destaque para o  Pidgin (antigo Gaim). A superioridade do Pidgin resume-se na possibilidade de  trocar mensagens instantâneas em diversos protocolos: MSN, AIM, Bonjour, Gadu-Gadu, Google Talk, Groupwise, ICQ, IRC, MySpaceIM, QQ, SILC, SIMPLE, Sametime, XMPP, Yahoo! Messenger e Zephyr (ufa!) num total de 16 protocolos diferentes numa só aplicação. Exemplificando: Eu posso conversar na web com amigos que tem email do @hotmail (sem ter na minha máquina o Windows Live Messeger (vulgo MSN) ,  @yahoo (precisaria ter o Yahoo Messeger), @gmail (precisaria ter o Gtalk), tudo ao mesmo tempo em uma única conta e software. O Pidgin possui versão para Windows, Linux e MAc. Encontrei no blog Kerbebros.net um artigo falando das vantagens do Pidgin (http://www.kerkeberos.net/2008/10/24/pidgin-ou-msn-messenger/) Eu li e recomendo!

Também multiprotocolo é o SIM (o nome é esse mesmo) que apesar de desconhecido é muito leve, prático e  simples de usar. Agora, se já está acostumado apenas com o programa original pode utilizar a versão livre do MSN, o AMSN. É quase um clone,  com a maioria dos recursos do proprietário, permitindo conversar de forma instantânea com os usuários do (@hotmail). Inclusive vem com diversos recursos, aqueles emoticons (que particularmente não gosto, pois nem sempre compreendo o significado), ler mensagens off-line, ler emails, alguns sons e plugins. Quem quiser se aprofundar, o Guia do Hardware publicou um artigo bem didático e rico em ilustrações sobre este aplicativo (http://www.guiadohardware.net/dicas/amsn-97b.html)

Além destes é possível, usar também o leve e simples Kopete, e também  o Mercurycomunicador instantâneo com suporte a MSN, Jabber, Google Talk, ICQ, AIM e Yahoo! Messenger. Todos apresentam vantagens e desvantagens.Cabe a nós testa-los!

Agora, se você não vive sem o Skype, (comunicador de voz), não se preocupe, você continuará falando de graça com seus amigos, pois ja existe versão do Skype para Linux. Alias, para quem não sabe por meio do Skype posso  falar  com todo mundo pelo computador, sem me preocupar com o custo da ligação, pois de skype para skype é gratuito.  m software livre que poderia substituir o skype é o ekiga (http://ekiga.org/) e o twinkle (http://www.xs4all.nl/~mfnboer/twinkle/index.html), particularmente, não conheço, mas isso não é desculpa para não testar.

Agora, pesquisando na internet, descobri que existe também uma versão  VOIP (somente para Ubuntu) chamado Tapioca (o nome está correto).O Tapioca lhe permite conversar por voz utilizando a rede do gtalk, por exemplo. Basta colocar a sua conta gmail e senha e já sair falando e ouvindo seus amigos de qualquer lugar do planeta!.

Além destes, para Ubuntu existem o Gajim e o Landel. Se alguém utiliza alguns destes,  por favor, deixe um comentário para a gente conhecer. :)

Como pode-se perceber o mundo livre é muito vasto mesmo. A questão na maioria das vezes é a falta de conhecimento, portanto compartilhe sua informação, assim teremos um mundo mais livre. Como diz meu amigo Fred: A educação é bem melhor quando é livre!

Noutro post, falaremos sobre multimídia (som e audio) e alguns utilitários importantes.

All the Best!

Read Full Post »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 91 outros seguidores