Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 10 de março de 2009

windows-vs-linuxSaudações Livres!

Uma das  preocupações do usuário iniciante ou leigo quando utiliza o Linux pela primeira vez é a questão da compatibilidade de softwares. As informações na rede são muitas e por vezes contribuem mais para confundir do que para ajudar o usuario iniciante.  Assim, surgem questionamentos do tipo: Como faço para gravar um CD?  Onde está o “Word”? Como faço para conversar com meus amigos na Internet ? Dúvidas como estas  são comum nos usuários que trocaram as janelas do Tio Bill, pelo software do pinguim.

Partindo desta realidade e principalmente devido ao crescimento  do software livre no mercado nacional, resolvi escrever este post com intuito de orientar o usuário que está migrando do software proprietário (Windows) para o software livre (linux), sem muitos traumas, apresentando de forma sucinta as principais compatibilidades entre os dois sistemas. Para começar vamos  sobre as ferramentas de escritório e de navegação na Web.

A Rede Mundial de Computadores ou Internet revolucionou as comunicações. Hoje é quase impensável, pensar em um computador sem acesso a Web. Desta forma, para navegar na Internet no Windows o navegador padrão é o Internet Explorer . Esse mero detalhe causou inúmeros prejuizos à Microsoft na Europa por desrespeitar a livre concorrência aliado ao fato de  o IE é considerado “o software mais  rackeado do mundo” e vulnerável juntamente com o Safari da Apple, ambos recebem duras críticas devido a falhas na segurança (fonte: http://macworldbrasil.uol.com.br/noticias/999/12/31/seguranca-ameaca-reputacao-do-safari/).

Uma opção gratuita, mas proprietária, muito aclamado da mídia é o Chome pertencente ao Google, todavia só funciona no Windows Vista e superiores. Já o software livre, apresenta várias opções para navegar na rede: Mozzila Firefox e Korqueror, Epiphany, Flock dentre outros.

Destes o mais popular é o Mozilla Firefox, compatível com as mais diversas linguagens de propagação da web. Estima-se que dez por cento, dos usuarios da web já utilizem este software, que possui versão tanto pra Windows como para Linux, considerado para muitos superior ao Explorer por suas funcionalidades.

Além do Mozzila Firefox, existem outra opções de navegadores como o Opera (freeware) e o Korqueror. É importante destacar, que o Korqueror é um dos aplicativos mais versáteis.  Enquanto no Windows, o gerenciador de arquivos é o Windows Explorer,  no mundo livre, o Korqueror engloba tanto as funções de navegador web quanto gerenciamento de arquivos  dentre outras aplicações.

Agora, se o usuario desejar fazer trabalhos escolares ou digitar textos simples, a suite de escritórios capaz de concorrer em pé de igualdade com o MS Office é o OppenOffice ou Br-Office.* Na atualidade, o OppenOffice/Br-Office  vem se destacando no cenário brasileiro, por ser uma das opções mais completas para escritório. Além de funcional, é  compacto, ocupa apenas  107 MB contra o triplo da versão proprietária (MS Office ocupa cerca de 383,20 MB). Além do que o OppenOffice ja vem com editor de textos (Writer), planilha eletrônica (Calc), criador de slides (Impress), desenhos vetoriais (Draw) e criador de formulas (Math), tudo dentro de um único software.

Assim, se o usuário desejar digitar um texto, no lugar no Word, pode facilmente usar o Writer.  Se deseja reproduzir e criar slides, temos  o Impress no lugar do Powerpoint. Já para efetuar cálculos e funções no lugar do Excel, temos o Calc, uma eficiente planilha eletrônica.  Já para  criar formulas matemáticas, temos o Math.

Outro ponto que merece ser destacado no OppenOffice é o seu layout. Diferentemente  da versão proprietária, o OppenOffice soube respeitar o usuário não modificando a localização dos menus . Apesar de já estar na terceira versão, apenas acrescentou mais funcionalidades. Exemplificando, o “coitado” do usuário  final do Office 2007,  pena para reaprender a utilizar seus programas favoritos, porque o desenvolvedor principal modificou quase todo o layout original,  se comparado com a versão anterior, obrigando o usuário  a voltar para os “velhos cursinhos de informática”, para reaprender a roda.

Outra vantagem do OppenOffice, possui versão para as duas plataformas, Windows e Linux além  de um corretor ortográfico já com as novas regras de ortografia portuguesa, sem contar que o mesmo é capaz de ler arquivos no formato DOCX (Word 2007) e converter textos para PDF.O pessoal do Metro de São Paulo preparam apostilas da versão 3.0 do OppenOffice.org.  As mesmas estão disponíveis no endereço eletrônico: (http://www.metro.sp.gov.br/diversos/download/staroffice/BROffice_org_3_0/teopenoffice30.asp)

Ja para criação de desenhos vetoriais, desenhos e ilustrações, no lugar do Corel Draw, e do Adobe Ilustrator extremamente pesado e caro, temos dentro do OppenOffice o Draw e ainda o Inkscape. Ambos podem ser usados para criação de arte final,  como para projeto gráficos. O pessoal do Studio Livre, criou um wiki (escrita colaborativa) com tutoriais e manuais disponível no endereço (http://estudiolivre.org/inkscape)

Além do Oppenoffice, ainda existem ferramentas de escritório, como o Koffice que vem com:

  • KWord – Processador de textos com a maioria dos recursos necessários para gerar documentos com aparência profissional;
  • KSpread – Gerenciador de planilhas completo;
  • KPresenter – Gerenciador de apresentações;
  • Kivio – Aplicativo de desenho vetorial 2D, similar ao Visio;
  • Karbon14 – Ferramenta para criação de ilustrações com elementos vetoriais;
  • Krita – Para manipulação de imagens, similar ao GIMP ou ao Adobe Photoshop;
  • Kugar – Gerador de relatórios de aparência profissional;
  • KChart – Ferramenta para criação de gráficos e diagramas;
  • KFormula – Poderoso editor de fórmulas.

Ainda na parte de edição de texto, temos o Abiword, apesar de leve é bastante completo. Por meio dele podemos editar documentos nos formatos TXT, RTF, LaTeX  e outros formatos, inclusive um formato proprietário (que pode ser compactado). Também já é possível baixar no site do fabricante um corretor ortográfico para várias línguas, entre elas, o português.

Agora, se precisa de um software de diagramação mais profissional, temos o Scribus como alternativa ao PageMaker. O mais interessante é que um software multiplaforma, com versões para Windows, Linux e Mac OS X. Com ele é possível criar arquivos para impressão em equipamentos profissionais e arquivos PDF.O programa é compatível com arquivos OpenDocument, HTML, Word e RTF, e seu formato de arquivo padrão é baseado na especificação XML.

Na parte de planilhas, temos ainda o Gnumeric, uma alternativa leve e  confiável ao Excel, perfeita para os amantes do Gnome (Ubuntu e afins).

Para criar páginas na Web, uma alternativa livre para o editor de páginas HTML Dreamwever e FrontPage é o NVU. Baseado no Mozilla Composer da suite internet Mozilla, por dele é possível inserir e editar textos,  imagens, links, formulários, tabelas e células.

De fato, percebe-se que uma das principais vantagens do mundo livre, é a possibilidade de ter vários softwares para realizar a mesma atividade. O software livre traz essa liberdade, de escolher a melhor ferramenta para nossa realidade. Alias, essa é a premissa principal do software livre: liberdade para conhecer, de divulgar, de contribuir, de se encantar. A maioria dos softwares ja existem tutoriais, sites e apostilas em português, embora na maioria das vezes não se faz necessária esta consulta, visto  que os softwares são extremamente intuitivos e a essência é a mesma. Aliás em alguns casos,  o software livre se torna mais fácil de utilizar, tornando-se uma alternativa superior ao modelo proprietário como no caso do OppenOffice e do Firefox, derrubando  assim o mito de que “software livre é ruim” ou “deficiente,” por ser na maioria dos vezes gratuito. É importante destacar que necessariamente, software livre não significa software gratuito, os termos não são sinônimos.

Por fim, é importante mencionar que todos  estes softwares  elencados são livres, portanto, podem ser baixados via Apt-get (nas distribuições Debian) ou Synaptic (gerenciador de pacotes).O gerenciador de pacotes, é  prova da supremacia do software livre (linux) se comparado a versão paga (Windows). Simplicadamente, funciona assim: quando necessito de um programa X, este software localiza na web, instala e organiza todos os pacotes dentro do sistema operacional. Diferentemente do Windows, no qual precisaria-se perder tempo navegando na net até encontrar.

No próximo post, falaremos da parte gráfica (manipulação de imagens) e  comunicadores instantâneos.

All the best!

* A questão dos nomes Oppenoffice e BR-Office refere-se ao mesmo projeto e software, todavia no Brasil foi preciso colocar a sigla BR antes do nome Office para evitar problemas com direitos autorais, visto que o nome OppenOffice já havia sido registrado por uma empresa particular.

Anúncios

Read Full Post »