Feeds:
Posts
Comentários

Archive for outubro \28\UTC 2009

Essa dica eu recebi do prof. Ernani, via comunidade do Orkut.Bom, quem gosta ou quem precisa publicar artigos cientificos, precisa entender alguns fatos. As revistas são catalogadas por Qualis (criterio de avaliação do MEC/CAPES), da sequinte forma:

A1 e A2 – Excelência internacional

B1 e B2 – Excelência nacional,

B3,B4 e B5 (relevância média)

C – baixa relevância

Você pode consultar as revistas avaliadas pelo MEC, no seguinte endereço: http://qualis.capes.gov.br/webqualis/

Outro detalhe, todas as revistas listadas e avaliadas pela CAPES tem o ISSN. Não sabe o que é isso?

O ISSN – Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas (International Standard Serial Number) é o identificador aceito internacionalmente para individualizar o título de uma publicação seriada, tornando-o único e definitivo. Seu uso é definido pela norma técnica internacional da International Standards Organization ISO 3297.

O ISSN é composto por oito dígitos, incluindo o dígito verificador, e é representado em dois grupos de quatro dígitos cada um, ligados por hífen, precedido sempre por um espaço e a sigla ISSN.

Exemplo: ISSN 1018-4783.

Agora vamos publicar? Com o artigo feito e concluído, siga os seguintes passos, descritos por Ernani:

1. primeiro consulte a revista que tem interesse em publicar

2- Selecione a área desejada. Ex: educação física
3- Clique no botão consultar.
4- Leia o resultado abaixo
5- Escolha o periódico onde submeter
6- Acesse o site do periódico
7- leia as regras de submissão
8- Submeta seu artigo
9- Aguarde o retorno
10- Leia o retorno e tome as ações procedentes
11- Caso receba um não, verifique as razões e, se for o caso, corrija o que não estiver bom
12- submeta de novo (tente outro periódico)
13- O mais importante: Não desanime.

Gente, eu levei quase dois anos, esperando a publicação B2, mais valeu a pena!

Até a próxima dica!

Anúncios

Read Full Post »

tela do SL ludoquimico

olá amigos, recebi essa dica, via lista de discussão (blog educativos), é o game Ludo Quimico, para o aprendizado da química organica, no ensino médio.O  game, ou melhor o software educativo, se baseia em um jogo indiano milenar de tabuleiro, no qual o aluno vai respondendo os questionamentos e avançando ou retrocendo no tabuleiro. Meus conhecimentos na área de química, se limitam ao  9º ano (antiga 8ª série), por isso não pude sair da tela 1. 😦 Agora, o mais legal de tudo isso que é livre, ou seja, a licença é GPL, podendo ser replicado gratuitamente  :).Tem versão para linux (em deb) e para Windows (exe), que pode ser baixado no site oficial: http://www.ludoquimico.com.br/index.html. Testei no big linux (versão 4.2) e funcionou redondinho, alias o big linux é uma praticidade mesmo, bastou clicar no botão direito –> debian menu –> pronto ja esta feito a instalação. Fácil, fácil.Ele não cria um icone no menu, mas o executável fica na pasta USR/BIN/LUDOQUIMICA.SH. No Windows, é mais fácil ainda, basta “dizipar” a pasta e mandar executar e pronto. Apesar de não gostar da maldita, ops, quer dizer da nossa amada química, vale a pena conhecer o trabalho do prof. Manoel Guerreiro, um apaixonado desta valiosa ciência.

Nosso amigo quimiconauta, afirma: “Ludo Químico é um “Game” de química, baseado no antigo jogo indiano Pachisi, no qual o objetivo principal é chegar até o final do tabuleiro respondendo corretamente as questões de química que aparecerão pelo percurso.”

Para os “quimiconautas” de plantão, existe um artigo sobre as possibilidades pedagógicas neste jogo publicado na Revista Ciência e Cognição 2008 v.13, p.72-81, e pode ser lido neste link: www.cienciasecognicao.org/pdf/v13/m318239.pdf. Neste artigo, tem o referencial teórico, sua concepção e regras. Alias, o mesmo está recebendo críticas e sugestões para melhor este software. Que tal ajudar?

Ah, não deixe de visitar também, o blog do professor Manoel Guerreiro (http://ludoquimico.blogspot.com/). O visual atraente, limpo, objetivo, numa linguagem acessível a nós pobres mortais, que não conhecem os mistérios da ciência é o principal atrativo. Tem dicas de outros jogos e aplicações no ensino de ciências. Pode colocar em favoritos, vale a pena!

Até a próxima dica!

Read Full Post »

olá amigos, pesquisando na net encontrei este livro, que pode ser chamado de E-book, pois é possivel fazer o download de toda a obra.  A autora disponibilizou a obra na internet como forma de democratizar o conhecimento. Comecei a ler e gostei e vou comprar com certeza. Se todos fizessem assim, talvez mudasse a realidade da leitura no Brasil, pois muitos livros são belos na capa e horriveis em conteudo. Ai vai a dica:

fonte: http://www.lynn.pro.br/educatec.htm

ALVES, L. R. G., NOVOA, C. C. Educação e tecnologia: trilhando caminhos. Salvador : Editora da UNEB, 2003, v.1. p.263.

Download todos os arquivos compactados

Download de cada texto em PDF

Apresentação
Trilha 1 – Educação a Distância
Educação a Distância e Comunicação Interativa
Andréa Lago, Cristiane Nova e Lynn Alves
Os Meios de Comunicação: um Problema para a EAD
Alessandra de Assis Picanço
Educação a Distância: Repensando o Fazer Pedagógico
Vânia Rita Valente
Educação a Distância: Desafios Pedagógicos
Cláudia Magnavita
Tecnologias para EAD via Internet
Mário Sérgio da Silva Brito
Interfaces Gráficas e Educação a Distância
Antonio Luis Lordelo
Trilha 2 – Ambientes e Comunidades Colaborativos de Aprendizagem
Do Discurso à Prática: uma Experiência de Comunidade de Aprendizagem
Lynn Alves
Ambientes Virtuais de Aprendizagem:Problematizando Práticas Curriculares
Edméa Oliveira dos Santos
Mapas Virtuais: Ambientes Colaborativos de Aprendizagem
Alexandra Okada
Trilha 3 – Educação e DispositivosTecnológicos
Educação e NTIC: do Pensamento Dialético ao Pensamento Virtual
Arnaud Soares de Lima Junior
Imagem e Educação: Rastreando Possibilidades
Cristiane Nova
Que Tempo para a Educação? Uma Leitura Psicanalítica
Lídia Maria de Menezes Pinho
A Sala de Aula: Adolescentes e Mídias Digitais
Andréa Lago
Ação Docente e o Livro Didático nos Ambientes Digitais
Vani Moreira Kenski
A Internet como Espaço de Construção do Conhecimento
Simone de Lucena
A Hipertextualidade como Ambiente de Construção de Novas Identidades Docentes
Andrea Cecília Ramal

Gostou? Quer outra dica dessas? Acesse o blog software livre na educação by Sinara Duarte .

Read Full Post »

painelsinararochaolá, amigos, acabo de chegar do Mundo Unifor 2009. Não preciso dizer que adoro participar deste evento! Quem não conhece é anual e ocorre na maior Universidade particular de Fortaleza (CE), a Unifor,. De fato, a UNIFOR  com maestria tem organizado o evento que envolve estudantes, pesquisadores, professores das mais diversas áreas e estados (tinha gente até do Amazonas). É uma troca de experiências riquíssima. O mais legal é que tudo é gratuito, a entrada é franca, a inscrição e até mesmo a impressão do poster é gratuito (se entregue no prazo correto, lógico!). Até o CD dos Anais, também recebi gratuitamente.  Ja tinha participado no ano de 2005 e agora em 2009 participei apresentando um trabalho entitulado: “Com o lápis e o mouse na mão: a contribuição da informatica educativa na superação das dificuldades de aprendizagem”, no qual defendo o uso do computador e lógico o software livre educativo. Eis o resumo:

As dificuldades na aprendizagem (DA) são causas relevantes do baixo desempenho escolar. No Brasil, 40% da população escolar apresenta alguma dificuldade ligada a aprendizagem (CIASCA, 2003). Embora simples, a aquisição do código lingüístico para crianças com algum déficit cognitivo, torna-se uma atividade complexa. Diversos softwares se propõem a contribuir para o letramento infantil, porém pesquisas envolvendo a contribuição da informática para este fim, ainda são escassas. O objetivo central foi verificar a eficácia terapêutica de uma proposta de intervenção pedagógica mediada pelo uso do computador, em escolares com dificuldades de aprendizagem. A metodologia envolveu uma pesquisa qualitativa do tipo descritiva com vinte escolares, na faixa de 9 a 12 anos,  com histórico de fracasso escolar de uma escola pública local. Foram submetidos à avaliação psicopedagógica e cognitiva, encaminhados ao Laboratório de Informática Educativa e Sala de apoio Pedagógico. Optou-se por utilizar softwares livres, destacando-se os educativos Gcompris e Tuxpaint. Os resultados apontaram que os alunos não tiveram dificuldade no manuseio dos softwares, apresentando melhora da auto-estima, da autonomia e do interesse, que se repercutiu no desempenho acadêmico e social dos aprendizes. Conclui-se que o uso educacional do computador, trouxe benefícios para a aprendizagem e o desenvolvimento cognitivo dos aprendizes, ajudando a reduzir o fracasso escolar.

Quem quiser ler o artigo completo artigo mundo unifor 2009

Bom, é uma oportunidade de apresentar trabalhos e enriquecer seu curriculum lattes (os anais tem ISNN) e ainda conhecer gente nova. A professora Silvia do Mestrado em Psicologia, fez varias correções (criticas construtivas) no meu artigo, que me ajudarão no futuro próximo. O evento vai até sexta-feira, 24/10/2009.

Até a proxima! ou melhor até o proximo mundo Unifor 2010.

Read Full Post »

Passeando na net encontrei o blog Alma Livre e nele o artigo entitulado ” A História das Coisas” escrito por Paulo de Souza Lima. O autor faz uma análise do movimento do software livre com o consumismo tecnológico exarcebado que tem ajudado a destruir nosso planeta e principalmente como o SL pode ajudar a inverter este processo. O texto não é meu, tanto o filme quanto o post completo, que replico aqui está disponível em:

Fonte: http://almalivre.wordpress.com/2009/10/07/a-historia-das-coisas/

“No post anterior “Por que o cidadão consciente deveria optar pelo software livre, sem restrições?“, fiz uma conexão entre a obsolescência planejada, o consumismo e a velocidade da transformação tecnológica, deixando implícito que essa “transformação rápida” da tecnologia não é necessária, nem tampouco, saudável para a sociedade.

Existe um filme disponível no site Youtube entitulado “The Story of Stuff“, e sua versão dublada em português “A história das coisas”. O filme trata de explicar como funciona o processo de extração de matérias primas, transformação em produtos, distribuição aos “consumidores”, até seu descarte nos lixões ao redor do planeta. O filme é tão dinâmico, didático e fácil de entender, que até meus filhos gostaram de assistir.

Uma sinopse do filme está disponível em: http://filmes.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=240

Mas o que tem isso a ver com o software livre ou com esse blog? Eu diria que muito, se não tudo. Vejamos: o maior fornecedor mundial de software é, também, dominante do mercado. Com essa posição, a prática da obsolescência planejada é uma prática muito lucrativa, já que obriga seus “consumidores” (sim, é isso que você é para eles, não uma pessoa, um ser humano) a migrarem de uma versão mais antiga para uma mais nova, mantendo o giro do negócio. Mas porque esse fornecedor de software tem participação no aumento de lixo tecnológico mundial?

Faça as contas:

– A cada 5 anos, aproximadamente, a empresa troca seu sistema operacional por uma versão mais nova.
– Cada versão mais nova exige computadores mais potentes, com mais memória, mais espaço para armazenamento, mais velocidade de processamento, o que implica em mais consumo de energia e mais emissões de carbono na atmosfera.
– As máquinas antigas são descartadas sem a menor preocupação com a reciclagem e com o destino dos materiais empregados na sua construção, muitos deles tóxicos.
– As próprias atualizações de uma mesma versão de sistema provoca um aumento na necessidade de potência de máquina.
– O fato do sistema ser vulnerável, obriga o “consumidor” a utilizar programas extras (antivirus, antispyware, firewall, etc.),que também exigem sua cota de processamento da máquina e, o “consumidor”, é obrigado a comprar uma máquina que suporte toda essa carga.
– A indústria de hardware é pressionada pela de software a buscar soluções cada vez mais velozes. Isso se dá não porque o hardware é lento e obsoleto mas, principalmente porque o software é mal feito, ou seja, não há uma metodologia para racionalizar o código fonte dos programas. Por exemplo, um programa que poderia fazer uma tarefa com 1000 linhas de código, tem 3000 ou 4000 linhas porque utilizam-se métodos não racionalizados de programação. Isso exige mais processamento e, consequentemente, mais potência da máquina.

As montanhas de lixo tecnológico estão aumentando apenas porque alguns fabricantes que dominam o mercado mundial de informática “precisam garantir o lucro dos acionistas”.

O software livre, a começar pelo GNU/Linux, não exige computadores potentes para fazer o mesmo que o sistema operacional mais popular faz, com mais qualidade, mais segurança e mais eficiência de código. Isso significa que você não precisa comprar um computador a cada 3 ou 4 anos só porque seu fornecedor lançou um sistema mais novo. isso diminui a pressão pelo desenvolvimento de máquinas mais poderosas, aumenta a vida útil dos equipamentos existentes, ajudar a diminuir o lixo tecnológico e economiza dinheiro, o seu dinheiro, que deixa de ir para “os acionistas” dessas grandes empresas.

Bom, se você acha que estou sendo pessimista e alarmista, assista ao filme e tire suas próprias conclusões. Depois, considere sinceramente, começar a utilizar software livre para ajudar a despoluir o planeta.”

De fato, podemos afirmar que software livre é software verde, pois contribui para a diminuição do lixo tecnológico e consequentemente para reverter o processo de destruição do planeta. E agora, o que estamos esperando para adotar o SL como padrão em nossos lares?

Read Full Post »

Olá, amigos, recentemente conclui (ou quase) o curso de Mídias na Educação, uma parceria do MEC com a UFC – Universidade Federal do Ceará. O curso latu-sensu, totalmente pela internet é realmente muito bom e fantástico, pois intenciona capacitar os educadores a atuar com as midias (TV/video, radio, impressos e computador). Eu particularmente, me apaixonei pelo curso. O curso é longo (foram quase 2 anos) e rico em material e conteudo que pode ser acessado gratuitamente neste site: http://webeduc.mec.gov.br/midiaseducacao/#

Pode acessar diretamente pela internet ou se quiser pode fazer o download para sua máquina.  A maioria dos conteudos está compactada, se usa linux pode descompactar com o ARK, se usa o janelas, use o Winrar.

Read Full Post »

Este artigo foi publicado originalmente na Revista Espírito Livre nº 7 (outubro de 2009), por Alexandre Oliva e em seu blog pessoal <http://www.fsfla.org/svnwiki/blogs/lxo/pub/livre-educar&gt;

Software privativo é falta de educação, por Alexandre Oliva (lxoliva@fsfla.org)

Comecei a escrever este artigo a caminho do Congresso de Educação, Software e Conhecimento Livres, na República Dominicana, no netbook educacional Lemote Yeeloong que tenho usado como meu computador principal. Mal sabia eu que publicaríamos lá a Declaração de Santo Domingo, sobre o uso educacional de Software e materiais didáticos Livres, com pensamentos e considerações que rascunhei na ida sobre software a que minha filha vai ser exposta no ensino fundamental.

Em Casa

Até o momento, foi relativamente fácil evitar que ela fosse exposta aos males do software privativo: seu uso de computador, embora frequente, está bem de acordo com os preceitos éticos, morais e sociais do Movimento Software Livre. Embora talvez ainda lhe falte a consciência social para entender um problema ao qual ela sequer foi exposta, a presença exclusiva de Software Livre em casa praticamente garante que ela não se torne dependente de programa algum. É algo por que todo usuário de software, todo pai e todo mestre devem zelar.

E não é que ela use pouco software, não. Começou com o maravilhoso GCompris, uma suíte Livre de atividades educacionais que integra mais de uma centena de atividades para adolescentes e crianças a partir de 2 anos, com um visual super atraente, música clássica de primeira qualidade e versão em português até das frases de comemoração que o programa fala quando a criança supera uma etapa. Enquanto resolve quebra-cabeças, joga memória, decifra códigos, faz desenhos, animações e contas, aprende letras e palavras, a criança é motivada pelos mascotes do Software Livre, presentes em várias atividades. Para os mais velhos, há até experiências de ciências, como montagem de circuitos elétricos e programação de navios e submarinos. Imperdível!

Outro Software Livre que faz sucesso em casa é o Sugar, mais conhecido por sua adoção, pelo projeto One Laptop per Child, OLPC, como padrão de interface em seus portáteis educacionais. Nesse sistema há desde os programas mais óbvios e de propósito geral, como navegador e editor de textos, até os mais voltados à educação, como jogos e atividades de programação, até com a linguagem Logo. Além de ser instalável em diversas distribuições de GNU+Linux, há versões bootáveis disponíveis para rodar a partir de CD e de pen-drive. O estudante pode levar o sistema inteirinho para casa: programas, preferências pessoais e até os trabalhos que fez, sem precisar carregar um computador.

Voltei de Santo Domingo com uma cópia do gaúcho Pandorga GNU/Linux, gentileza da Tatiana, principal autora do InVesalius (Software Livre de visualização de imagens médicas tridimensionais) e uma das maiores divulgadoras e promotoras do Software Livre no Brasil e na América Latina. A novidade mais apreciada foi o TuxMath, um jogo que treina operações aritméticas num cenário de defesa anti-aérea: diversão e agilidade matemática garantidas.

Infelizmente, o Sugar on a Stick (a versão para CD e pen drive do Sugar), o Pandorga GNU/Linux e a distribuição GNU/Linux educacional mantida pelo Ministério da Educação utilizam versões privativas do Linux, ao invés de Linux-libre. Será que têm planos para consertar isso, como fez o galego Trisquel, que também fala português, traz GCompris, TuxMath, KDE Edu e muito mais, e prepara uma versão educacional com Sugar? Enquanto espero essa novidade, também anseio pelo momento de trazer pra casa o painel programável de leds que Danilo César, líder do projeto pedagógico Robótica Livre, disse que faria para minha filha. Ela vai adorar!

Na Escola

Enquanto escolas públicas se preparam para oferecer Um Computador por Aluno, com Software Livre, às populações que em sua maioria não possuem computadores de propósito geral, escolas particulares desperdiçam seus orçamentos menos apertados em software privativo, incompatível com a missão de educar.

Não é que o software privativo escolhido pelas escolas não cumpra o propósito para o qual foi projetado. Às vezes até cumpre. O problema é que o propósito educacional, quando o software é privativo, vem sempre acompanhado de outros propósitos indesejáveis. E são esses outros propósitos que criam hábitos prejudiciais e limitam as possibilidades de aprendizado.

O objetivo da educação não deve se limitar a transmitir informação. Deve preparar o educando para ser um cidadão livre e independente, bom membro da sociedade, capaz de utilizar o conhecimento e as técnicas que adquiriu para buscar conhecimento que deseje ou necessite, assim como para desenvolver conhecimento novo, pelo bem de todos.

Software Livre, isto é, software que respeita as liberdades dos usuários de executar o software para qualquer propósito, de estudar o código fonte do software e adaptá-lo para que faça o que o usuário deseje, de fazer e distribuir cópias do software, e de melhorá-lo e distribuir as melhorias, permite que pessoas usem computadores sem abrir mão de serem livres e independentes, sem aceitar condições que os impeçam de obter ou criar conhecimento desejado.

Software que priva o usuário de qualquer dessas liberdades não é Livre, é privativo, e mantém usuários divididos, dependentes e impotentes. Não é uma questão técnica, não tem nada a ver com preço nem com a tarefa prática desempenhada pelo software. Um mesmo programa de computador pode ser Livre para alguns usuários e não-Livre para outros, e tanto os Livres quanto o privativos podem ser grátis ou não. Mas além do conhecimento que foram projetados para transmitir, um deles ensinará liberdade, enquanto o outro ensinará servidão.

Falta de Educação

Se o usuário depender de permissão do desenvolvedor do software para instalá-lo ou utilizá-lo num computador qualquer, o desenvolvedor que decida negá-la, ou exija contrapartida para permiti-la, efetivamente terá controle sobre o usuário. Pior ainda se o software armazenar informação do usuário de maneira secreta, que somente o fornecedor do software saiba decodificar: ou o usuário paga o resgate imposto pelo fornecedor, ou perde o próprio conhecimento que confiou ao seu controle. Seja qual for a escolha, restarão menos recursos para utilizar na educação.

Ter acesso negado ao código fonte do programa impede o educando de aprender como o software funciona. Pode parecer pouco, para alguém já acostumado com essa prática que pretende também controlar e, por vezes, enganar o usuário: de posse do código fonte, qualquer interessado poderia perceber e evitar comportamento indesejável, inadequado ou incorreto do software. Através dessa imposição de impotência, o fornecedor cria um monopólio sobre eventuais adaptações ao software: só poderão ser desenvolvidas sob seu controle. Pior ainda: cerceia a curiosidade e a criatividade do educando. Crianças têm uma curiosidade natural para saber como as coisas funcionam. Assim como desmontam um brinquedo para ver suas entranhas, poderiam querer entender o software que utilizam na escola. Mas se uma criança pedir ao professor, mesmo o de informática, que lhe ensine como funciona um determinado programa privativo, o professor só poderá confessar que é um segredo guardado pelo fornecedor do software, que a escola aceitou não poder ensinar ao aluno. Limites artificiais ao que os alunos poderão almejar descobrir ou aprender são a antítese da educação, e a escolha de modelos de negócio de software baseados numa suposta necessidade de privação e controle desse conhecimento não deve ser incentivada por ninguém, muito menos pelo setor educacional.

O compartilhar é um valor essencial para o funcionamento da sociedade. Não é à toa que, como parte da missão da educação, está a compreensão e a prática desse valor. Quem leva um brinquedo à escola é ensinado a compartilhá-lo com os colegas. Por que com software seria diferente? De fato, com software essa prática deveria ser ainda mais incentivada, pois não há sequer o risco de o amigo quebrar o software. Sendo um bem não-rival, pode ser usado por vários ao mesmo tempo: o compartilhamento se dá não por divisão, mas por multiplicação. Mas, ao contrário do brinquedo, quando se trata de software, várias escolas ensinam que compartilhar é feio, errado, comparável a atacar barcos. Ensinam que não se deve compartilhar um brinquedo de software levado à escola, e dão o mau exemplo elas mesmas, negando-se a compartilhar o software que oferecem aos alunos. Isso porque escolheram mal o software: decidiram apoiar modelos de negócios mesquinhos, baseados em privação, escassez artificial e desrespeito ao próximo, ao invés de formarem cidadãos conscientes e livres, ensinando a adotar e apoiar práticas que respeitam valores essenciais da sociedade.

O cooperar é outro valor essencial para o funcionamento da sociedade. A aquisição de software educativo ou de propósito geral como enlatado atenta contar esse valor. Cercear o impulso criativo das crianças e adolescentes, aceitando o impedimento de melhoria ao software, prejudica não só o desenvolvimento dos alunos, que logo se acostumam a aceitar a posição de consumidores passivos, como também a sociedade, já que limita as contribuições que esses alunos poderiam vir a fazer, se não estivessem proibidos de construir sobre ombros de gigantes. Ao invés de aceitar software enlatado, sobre o qual pouco ou nenhum controle pode ter, a própria escola deveria dar o exemplo e influenciar ativamente o desenvolvimento do software educacional que adota, para que as motivações educacionais e suas decisões pedagógicas venham ao primeiro plano, sem que considerações mercadológicas do fornecedor prevaleçam. Não quer dizer que a escola tenha de ter sua própria equipe de programadores, mas que o Software seja Livre, de modo que, se um dia o fornecedor se recusar a fazer uma modificação desejada pela escola, ela possa contratar outro fornecedor para desenvolver a melhoria, cooperando ou não com suas semelhantes.

Arapuca

Não é à toa que fornecedores de software privativo com frequência oferecem o software que controlam gratuitamente, ou a preço menor, para uso educacional. Querem que crianças e jovens sejam adestrados sob seu controle, e se tornem dependentes. Depois, quando estiverem (de)formados, chegarão ao mercado de trabalho e não conhecerão alternativa. Pior, estarão dependentes. Assim como oferecer cigarro ou drogas entorpecentes para os alunos, deveria ser impensável oferecer software privativo. Aceitá-lo é cercear a criatividade, limitar o aprendizado, promover valores anti-sociais e fomentar a servidão tecnológica e a ditadura do desenvolvedor. São objetivos incompatíveis com a educação. O software privativo mata a aula. Se vai à escola, atrapalha. Boa educação é com Software Livre presente!

Edit Link Top

Para Aprender Mais

Declaração de Santo Domingo
http://cosecol.org/index.php?option=com_content&view=article&id=86&Itemid=27
GCompris
http://gcompris.net/
Sugar Labs
http://sugarlabs.org/
Pandorga GNU/Linux
http://pandorga.rkruger.com.br/
InVesalius
http://www.softwarepublico.gov.br/ver-comunidade?community_id=626732
[GNU/]Linux Educacional
http://www.webeduc.mec.gov.br/linuxeducacional/
Linux-libre
http://linux-libre.fsfla.org/
Trisquel
http://trisquel.info/
KDE Edu
http://edu.kde.org/
Robótica Livre
http://www.roboticalivre.org/
Projeto Software Livre Educacional
http://sleducacional.org/
Associação Ensino Livre (Portugal)
http://www.escolaslivres.org/
Por que escolas devem usar exclusivamente Software Livre?
http://www.gnu.org/philosophy/schools.html
Windows 7 Pecados – Educação
http://windows7sins.org/education/

Copyright 2009 Alexandre Oliva

Read Full Post »

Older Posts »